Num campo cheio de amoras

Da aldeia do Nodeirinho saíram de carro uma avó e a neta, de 4 anos. Morreram cercadas pelas chamas na Nacional 236-1. A criança foi encontrada ao colo da avó. Ninguém sabe o que aconteceu enquanto lutavam pela vida, mas podemos imaginar…

Olha para a frente, que para a frente é que é caminho.

Sei que pouco se vê agora, mas tens de olhar em frente. Acredita que em frente é o caminho. Para os lados não é nada, são troncos de árvores a descansar deste calor. No chão está mais fresco. Ainda há pouco estávamos a apanhar amoras e agora isto. Na verdade, não eram amoras eram bolotas, mas tu gostas mais de amoras e a tua imaginação é tão forte que a própria bolota se convence que é amora. És tão linda, tu e essa tua imaginação… Pareces a tua mãe antes de se esquecer de levar a imaginação com ela. Deixou-a lá em casa, nunca mais ninguém a viu até que tu a encontraste. És tão corajosa sempre, mas tens de olhar em frente. Não te preocupes. Não tarda chegamos lá para apanhares mais amoras. Essa tua imaginação… Ainda vais ser escritora. E que grande escritora vais ser, tenho a certeza! Embora isso não agrade muito aos teus pais, preferiam que tivesses dinheiro em vez de imaginação. Dinheiro… quem consegue convencer uma bolota a ser amora já tem tudo o que o dinheiro não compra.

Olha para a frente, que é para a frente que está o caminho.

Sim, eu sei que ficou muito calor de repente. Mas já passa, acredita. Isto foi só o sol que quis ver mais de perto uma menina tão linda como tu. Não o vês, mas é ele, acredita. Estava um dia tão bom e agora isto tudo tão negro. Ainda esta manhã estive a ensinar-te a dar as primeiras braçadas no rio… e que bem que tu abraçavas o rio. E agora isto… E agora que tenho de ensinar-te a olhar em frente e a respirar mais devagar. O que vale é que aprendes rápido, como a tua mãe. És tanto a tua mãe em tudo. Onde é que ela estará agora? Vamos chegar tarde e ela vai se chatear connosco. Ainda ontem tínhamos um verão inteiro para sorrir. E agora isto que foi tão de repente como a vida. E a tua mãe que vai ficar tão chateada comigo… Temos que dizer que foi o senhor de negro que não nos deixou passar.

Mas olha para a frente, que em frente não vês o destino.

Parece que o sol ficou encantado contigo e não se vai embora tão cedo. Está tanto calor e este nevoeiro já pesa demasiado… É melhor descansarmos um pouco aqui, a ver se depois acordamos mais frescas para ir apanhar mais umas amoras. Lembras-te como agarravas os meus braços lá no rio hoje de manhã? Aqui os tens à tua volta, de novo, imagina que voltamos para lá. Imagina que amanhã há amoras e rio, outra vez, e uma casa para ires buscar mais imaginação. E olha para o céu, minha linda, que para o céu é o nosso caminho.

Em memória das histórias interrompidas e dos sonhos ardidos.

numcampodeamoras_obohemio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Gostas desta taberna? Então espalha as palavras ;)