Para nunca deixar de sonhar

O que é que sentes quando deixas de sentir?

Queria perguntar-te isto desde o início, mas sabia que era demasiado cedo para uma resposta conclusiva. Vejo agora esse cansaço a esmagar-te os ombros e pergunto-te de onde vêm esses desfiladeiros a entrarem-te pelo rosto? Aposto que em cada um deles encontras as histórias gloriosas de quem ousou falhar porque nunca soube que havia outra maneira de existir. Que nome dás a cada aluimento de coragem condenada ao infortúnio? Chamas-lhe o que acontece quando nos acontece viver. E viver é apenas essa simplicidade absurda de saber que existe a possibilidade de tudo, como se bastasse sonhar. E basta. Porque sempre soubeste que a equação da vida é, no fundo, muito simples: viver um pouco mais, todos os dias, para morrer um pouco menos, em cada dia.

Nessa credulidade infantil da possibilidade de tudo, o que fazes ainda com todos esses planos que insistes em segurar nessas mãos vazias de ontem? Que teimosia é essa de não largares o que te faz respirar? És louco, se ainda acreditas que os sonhos se fazem para acontecer. Tens de parar, tu sabes. Mas não paras, porque sabes que nisto o que conta são as tais histórias que fazemos para contar. As tais falhas que se colam a nós e nos falam de nós. São elas com quem dançamos nas madrugadas ateadas na ponta de um cigarro que queima a solidão dos que só sabem sonhar. E é para isso que aqui estás, não é? Sabes bem que, no fundo, ninguém é tão pobre quanto aquele que já nem sabe sonhar.

Afinal, o que é que sentes quando deixas de sorrir?

Não sabes, porque preferes milhões de vezes continuar a sorrir, a ter de enfrentar a morte lenta de quem se permite desistir.

paranuncadeixardesonhar_obohemio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Gostas desta taberna? Então espalha as palavras ;)